Junho / 2018
DSTQQSS
0102
03040506070809
10111213141516
17181920212223
24252627282930
Não foi encontrado nenhum registro para o mês de Junho
InformaçãoArtigos e MateriasA Mulher Muçulmana
O fardo da unidade islâmica
Questões relacionadas à mulher de acordo com o pensamento islâmico e sua doutrina. Mais...

O equilíbrio das responsabilidades entre homens e mulheres.

Por que o Islam não incumbe a mulher com os mesmos deveres do homem assim como acontece no ocidente?

Para uma mulher empreender a mesma responsabilidade de um homem; seria obrigatoriamente e definitivamente abrir mão de sua maternidade, porque se esperaria que ela trabalhasse extremamente para permitir que esta responsabilidade florescesse, fosse de mérito e lhe desse a possibilidade de expansão. Todo daquele trabalho difícil seria simultaneamente acompanhado pelas cargas pesadas da maternidade; e isto terá um grande efeito no seu papel como uma mãe, na família e na sociedade também. No homem a paternidade não atinge a sua estrutura física como um macho, diferentemente da mulher cuja maternidade é baseada no seu corpo como uma fêmea; este fato simples torna muito mais fácil para um homem ser pai do que para uma mulher ser mãe. E é natural que a maternidade, embora não cancele todas as capacidades de uma mulher, mas se torna cargas tanto fisicamente como emotivamente pesadas, até nas primeiras etapas da gravidez; e é também natural que a maternidade a esgote até mesmo em assuntos que existem fora da maternidade.

Conseqüentemente, quando há um recém-nascido e a mãe não quer cumprir as exigências da casa, ela então deve confiar na ajuda de um baby-sitter que é contratada para executar o trabalho em vez dela. Contudo, isto seria injusto, pois estaria contradizendo com seu próprio conceito de mãe, sem falar que isso prejudicará a mulher quando ela é privada das características da maternidade que representam uma parte significante da sua personalidade, com isso danificará igualmente a criança privando-a da adoção afetuosa de que ela precisa.

Em verdade, quando a mulher assume responsabilidades do homem; considerar-se-ia que ela estaria comportando-se masculamente e com isso levando embora a sua feminilidade. Uma vez que ela faz isso, ela não se coloca nem como homem nem mesmo como mulher. O mesmo acontece quando o homem se comporta femininamente, ele nunca voltará a ser homem nem se tornará mulher. A vida trabalha na conservação de coisas e nas suas qualidades naturais, para que eles se transformem em um rendimento frutuoso à vida, em pensamentos, esforços, projetos, seres humanos, ou algo assim.

Quando examinamos o estado real do ser na sociedade ocidental ao qual a pessoa oriental aspira, encontramos que a crise psicológica, os problemas de matrimônio, e as situações emocionais complicadas, tinham tido sucesso no desperdício de uma parte considerável da humanidade em troca dos lucros financeiros ou sociais que ela tinha adquirido e que, de fato, nunca será capaz de compensá-la com o que a teria faltado. De fato não queremos privar a mulher do trabalho, e de atividades sociais e culturais; contudo, queremos dizer que devemos obter um equilíbrio entre esses lucros buscados e a conservação da personalidade da mulher como uma fêmea, como uma esposa e como uma mãe. Quando falamos sobre o homem e a sua função na vida; não devemos cancelar a sua responsabilidade como um pai, como um marido e tudo o que acompanha esses compromissos.

Mulheres e o direito a educação

As pessoas acreditam que o papel importante de uma mulher como uma mãe, lhe pede uma concentração principal na comunicação à educação e que serve exclusivamente a este papel; assim, o Islam tem o mesmo ponto de vista quanto a esta questão?

O Islam considera o conhecimento como um valor humano geral e uma escala da preferência entre as pessoas. Isto é como o Alcorão também apresenta no seu provérbio: “Dize: Poderão, acaso, equipararem-se os sábios com os insipientes? Só os sensatos o acham”. (Alcorão 39:9). “Acaso, quem está ciente da verdade que tem sido revelada pelo teu Senhor é comparável àqueles que são cegos”? (Alcorão 13:19). O conhecimento é um mérito do homem e da mulher igualmente, e a importância de adquiri-lo é idêntica a ambos. O Imam Ali diz: “O valor de uma pessoa está no que ela domina”. Isto indica que é o conhecimento e a experiência que eles possuem. Por isso, quando Deus motivou o homem a procurar mais conhecimento: “Dize: Ó Senhor meu, aumenta-te em sabedoria”! (Alcorão 20:114) e a meditar: “e meditam na criação dos céus e da terra”. (Alcorão 03:191) Ele não está se dirigindo de fato só a homens embora a palavra do Alcorão esteja no gênero masculino. Mais corretamente, Ele quer dizer tanto homens como mulheres porque, em primeiro lugar, o Islam considera que cada ser humano, homem ou mulher, é responsável por sua própria crença em Deus e no dia do juízo final independentemente de outros, dado que a crença está além das tradições. E desde que a aquisição da crença necessita do conhecimento e que busca estender os horizontes da razão e consciência, uma mulher tem as mesmas necessidades que um homem para desenvolver as suas capacidades mentais pela educação. Em segundo lugar, porque o Islam considera que o homem e a mulher têm o mesmo papel humano na vida - como mencionamos antes - e que eles são igualmente responsáveis na vida e pela vida; não há nenhuma justificação para dar a prioridade sobre um por cima de outro no nível da educação que eles podem conseguir ou até na natureza do conhecimento que eles estão recebendo.

De fato, o provérbio em que uma mulher é tão responsável como um homem perante Deus, Exaltado seja, constitui uma admissão real da sua independência como uma pessoa; da sua liberdade de pensamento bem como a sua liberdade de vontade. Além disso, é uma admissão na qual ela tem de desenvolver os pontos de poder da sua personalidade, vencer a sua fraqueza, proteger ela mesmo contra o desvio e contra as ameaças do mundo exterior. E o conhecimento pode desempenhar um grande papel que ajuda o ser humano, homem ou mulher, a realizar esses objetivos.

A ênfase no papel da mulher como uma mãe não pensa atar a sua vida e a sua educação a este papel e privar-lhe da aprendizagem de algo que ultrapassa os seus limites como algumas pessoas podem dizer. Em verdade, a mulher, como um ser humano, precisa de todos os oferecimentos do conhecimento e não só de algumas coisas selecionadas nele. Daqui, a reclamação que o exame médico e as capacidades mentais de uma mulher são limitados é injusta e uma afirmação desumana.

Deus, Exaltado seja, criou o homem e a mulher para concluir um ao outro na vida, com as características se distinguem o que cada um possui. Mas ao mesmo tempo, Ele não fez ambos responsáveis antes Dele independentemente um do outro. E esta responsabilidade exige isto de que ambos iriam se assegurar para ter a posse da força e a liberdade de vontade, pensamento, e comportamento como indicamos anteriormente. E se a maternidade de uma mulher necessita de amadurecimento em algumas das suas capacidades pessoais neste aspecto, à paternidade do homem que desenvolvem alguns dos seus próprios limites também necessita. Contudo, aquelas duas particularidades não impedem de fazer os dois prontos para compartilhar os seus papéis mutuamente no futuro neste nível. Conseqüentemente, não há nenhuma justificação para nenhuma discriminação entre homens e mulheres quanto à educação, nem no material do conhecimento que eles estão recebendo nem no nível que se permite que eles consigam.

Na armação do ponto de vista Islâmico em direção à educação do homem, há, de fato, alguns blocos de impedimento objetivos que estão de modo movendo-se, inclusive, na sua educação. Esses obstáculos são de fato inaceitáveis “que elas estariam misturando-se com homens em primeiro lugar”, e o fato inaceitável de que só eles podem viajar pra fora sozinhos; e às vezes, o processo na educação pode depender de tais assuntos. Deste modo, qual é o ponto de vista do Islam em direção a esta questão?

De um modo geral, socializar-se com homens não é proibido a menos que isso leve ao desvio. Conseqüentemente, isso não é um estorvo que obstrui o progresso educativo. Todavia, deve haver algumas regulamentações que atuarão como um protetor tanto de homens como de mulheres em caso de tal coisa acontecer.

Quanto à viagem pra fora, se dirigindo a estudar e á especialização, não há nada que pode proibi-la legalmente, exatamente como nada impede o homem de viajar fora para prosseguir na sua educação. Além disso, permite-se que a mulher e o homem viajem abaixo de um e a mesma regra é que cada um deles realizaria sua expatriação educativa, política ou social a capacidade de conservar o seu compromisso religioso e ético para que ele/ela se assegurasse da proteção contra qualquer desvio religioso e ético. Posteriormente, nada pode impedir praticamente a mulher de procurar promover a sua educação se ela á quiser.

Links Relacionados
Palavras Iluminadas

“É mais amado para Deus quando a pessoa está entre sua família do que quando está na mesquita em situação de devoção total”. Profeta Mohammad (S.A.A.S.)


ARBIB - Associação Religiosa Beneficente Islâmica do Brasil - Departamento de Comunicação
Todos os direitos reservados à ARBIB - A reprodução é permitida, desde que citada a fonte