Julho / 2019
DSTQQSS
010203040506
07080910111213
14151617181920
21222324252627
28293031
Não foi encontrado nenhum registro para o mês de Julho
InformaçãoDiscursos e Palestras
Seyyed Sharif Assayed
Seyyed Sharif Assayed
Discursos e palestras de Sua Eminência Seyyed Sharif Assayed.

Primeiro Sermão

A vida abençoada do Imam Mohammad ibn Ali al-Baquer (A.S.)

Celebramos no sétimo dia do mês abençoado de Zul Hijah a data do martírio do Imam al-Baquer (A.S.). O Imam (A.S.) é o quinto Imam dos Imames dos Ahlul Bait (A.S.). Quando falamos sobre ele falamos sobre uma personalidade infalível que enriqueceu a época em que viveu, respondeu muitas dúvidas e questões, cujo foram muitas para a época.

Quando celebramos a data do Imam al-Baquir (A.S.) nos colocamos de frente com uma época grandiosa, cujo Imam nela viveu. Ele preencheu a realidade islâmica com o conhecimento de tudo que o raciocínio poderia desfrutar. Ele inundou a época com espiritualidade e elevação espiritual. E daqui ele partiu para dar ao ser humano um método e uma vida exemplar.

Nós, quando recordamos a vida deste grandioso Imam (A.S.), percebemos que a sua época era uma das épocas mais difíceis e deliciadas que o mundo islâmico viveu. A época foi entre a transferência do governo Umáida ao Abbásida, na qual os muçulmanos viveram um conflito que foi finalizado com a queda do governo Umáida e a chegada do governo Abbásida.

O Imam al-Baquer (A.S.) enriqueceu os muçulmanos na época para poderem ter a profundidade e a compreensão política. A situação política na época estava pressionando o Imam (A.S.) a repassar todo este conhecimento e compreensão islâmica, mas as forças do mal intencionavam não deixá-lo repassar o Islam aos muçulmanos, e isso se dava através de pressões físicas e espirituais.

O problema dos Imames (A.S.) com os governantes da época era que os governantes sabiam do grau de conhecimento e sabedoria dos Imames (A.S.) e algo que se as pessoas em geral tivessem acesso seriam atraídas pelos Imames (A.S.), como um homem com sede que vai em busca da água.

Na epóca, o Imam al-Baquer junto com o seu filho Jafar Assadiq (A.S.) se movimentou no campo do ensino para fundar uma escola islâmica que se abria ao mundo islâmico em geral. Mesmo que na época representasse, como a maiora das pessoas achavam, uma seita e um grupo de pessoas, eles eram os verdadeiros Imames, sobre os quais o mensageiro de Deus (S.A.A.S.) os recomendou após ele.

As escolas de ensino dos Imames Al-Baquer e Jaffar Assadiq (A.S.) eram escolas abertas ao mundo islâmico em geral e a todos os muçulmanos. Quando os ensinamentos dos Imames se enfrentavam com outros ensinamentos, eles sentavam, debatiam e dialogavam de peito e portas abertas, e dialogavam sobre todos os assuntos sem nenhum limite.

Daqui chegamos a conclusão de que as escolas dos Imames (A.S.) abrangeram as diversas escolas e direções religiosas, pois na historia de Tabari ele relata muito a respeito do que o Imam al-Baquer (A.S.) relatava.

O Imam (A.S.) se movimentava junto com o mundo e a época, e Tabari em sua historia relata que o rei de Roma na época do governo Umaída ameaçou Abdel Malek ibn Maruan depois de que este quis trocar a moeda da época, pois a moeda da época era a romana. O rei de Roma enviou uma mensagem a Abdel Malek e disse a ele que se trocase a moeda irea criar uma moeda nova para Roma, que xingaria o profeta Mohammad. Ele fez esta ameaça em frente ao Abdel Malek, que ficou com medo e confuso e não queria deixar de trocar a moeda, pois assim iria enfraquecer a posição do estado e o governo. Ele procurou o Imam al-Baquer (A.S.) e o consultou sobre este assunto, e o Imam (A.S.) sugeriu que ele deveria criar uma moeda Islâmica, e foi isso que aconteceu. O Imam (A.S.) ordenou em um lado da moeda fosse colocada a surata al-Tauhid e do outro lado da moeda fosse colocado o nome do Mensageiro de Deus (S.A.A.S.), e que também fosse mencionado o ano e o local da fabricação da moeda. Ele ordenou a todos a utilizar a nova moeda e declarou punição a quem utilizasse a moeda romana. E assim o rei de Roma se viu ameaçado com isso e retirou a sua ameaça.

Assim, o Imam al-Baquer (A.S.) salvou a realidade islâmica e acabou com a crise da época. Daqui, quando enxergamos esta tradição e a realidade grandiosa do Imam (A.S.) testemunhamos o movimento da crença islâmica e nos encontramos com as jurisprudências que se abriam a toda a legislação islâmica. Nós encontramos com os valores islâmicos que caminhavam junto com a boa conduta, e em todas as etapas que o ser humano vive com o seu senhor e Deus.

O Imam (A.S.) preencheu a vida islâmica da época com conhecimento até o ponto que aqueles que viveram na sua época ou depois dela, mesmo não alegando o seu imamato, e nem crendo na seita dos Ahlul Bait (A.S.), falaram sobre ele.

Lemos no livro “Sauaekh al-Muherqah” do autor Ibn Hajar, que o mesmo elogiava o Imam explicando a fonte da palavra al-Baquer. Ele disse: “Ele (A.S.) foi nomeado como al-Baquer pois abriu as terras e retirou delas o que tinha. Ele (A.S.) também, evidenciou dos tesouros de conhecimento e sabedoria e dos dizeres, algo que não pode ser contado `aquele que não possui uma visão real dos fatos ou àquele que possui uma intenção desviada ...”.

O al-Baquer (A.S.) é o concentrador e o divulgador do conhecimento islâmico. Quando nós pesquisamos sobre os grandes nomes que representaram a grandiosa cultura islâmica e a civilização do Islam, vemos que estes foram alunos do Imam al-Baquer (A.S.), e todos vinham até ele das diferentes seitas e direções. Eles absorviam dele algo que não os deixava necessitados de mais nada.

O Imam (A.S.) respondia a toda pergunta ou questão, e há um relato de um de seus companheiros, Zeid al-Sha-ham, o qual perguntou a ele sobre o versículo divino do Alcorão sagrado que diz: “....então, que o ser humano observe seus alimentos”. O Imam (A.S.) disse: “O ser humano deve observar e ter cautela a respeito de quem adquire o conhecimento”. A interpretação geral do versículo relata sobre o alimento do corpo físico mais a interpretação especifica é sobre o conhecimento que entra no ser humano.

É muito importante sabermos a fonte do conhecimento, ou de uma outra forma, observarmos da melhor forma o nosso alimento espiritual, que é muito mais delicado.

O Imam (A.S.) jamais deixava de recordar a Deus e sempre recomendava e aconselhava os próximos a isto e a leitura do Alcorão Sagrado. O Imam (A.S.) disse: “Se quiser saber se possui uma bondade então olhe para o teu coração. Se ele amar obediente a Deus e odiar os desobediente a Ele então Deus te ama e o seu coração possui a bondade e a benção. E se o teu coração odiar o povo obediente a Deus e amar os desobedientes a Ele, então Deus não te ama e no seu coração não possui a bondade. Saibam que o ser humano será julgado com aquele que ama”.

Por este motivo a sociedade em que o ser humano vive e a qual ele escolhe para viver será a mesmo no dia do juízo final, pois a vida é a plantação para a outra vida eterna.

Em verdade, o nosso apego com a Wilayah dos Ahul Bait (A.S.) é pelo fato de nos apegarmos ao Islam original e puro, o qual nos eleva a um grau próximo de Deus e o qual nos agracia com a saúde nesta e na outra vida.

Que a paz esteja com o Imam Mohammad ibn Ali al-Bqauer (A.S.) no dia de sua recordação e que a paz de Deus esteja sobre seus pais e antecessores.

Sua eminência Seyyed Sharif Assayed falou no segundo sermão sobre o segredo e a filosofia da peregrinação a Meca, e seus efeitos positivos na vida do ser humano respondendo assim a convocação de Deus a ao chamado do Sheikh dos profetas Abraão (A.S.). Ele relatou sobre o beneficio da peregrinação e as lições que aprendemos desde seus rituais mais pequenos até os maiores, todos possuem significados. Todos estes rituais nos confirmam a unicidade do movimento e sua direção, negando a qualquer outro que vá contra este método.

Links Relacionados
Palavras Iluminadas

“São dois caminhos a serem escolhidos, o do bem e o do mal, sendo que o último não deve ser preferível.”  Profeta Mohammad (S.A.A.S.)


ARBIB - Associação Religiosa Beneficente Islâmica do Brasil - Departamento de Comunicação
Todos os direitos reservados à ARBIB - A reprodução é permitida, desde que citada a fonte